Lacen priorizava teste a influentes no Governo Renan Filho, denuncia deputado

Lacen priorizava teste a influentes no Governo Renan Filho, denuncia deputado

O Laboratório Central de Saúde Pública de Alagoas (Lacen/AL) priorizava os testes para diagnóstico do novo coronavírus a pacientes que tinham algum tipo de influência no Governo Renan Filho (MDB), conforme denúncia feita pelo deputado Davi Maia (DEM), durante entrevista à Rádio 98 FM Gazeta, na manhã desta quinta-feira (23).

VEJA, AO LADO, MATÉRIA RELACIONADA!

O parlamentar reafirmou os relatos graves que fez, na sessão plenária da Assembleia Legislativa Estadual (ALE), nessa quarta-feira (22), dando conta da prática evidente de nepotismo e de sucessivas falhas na administração do laboratório.

De acordo com Davi Maia, os exames para detecção da Covid-19 só eram feitos no Lacen/AL seguindo critérios políticos. Ele informou que tem documentos e a lista das possíveis prioridades que eram autorizadas pela governança. 

O mais grave, segundo ele, é que pessoas com requisitos prioritários, como preconiza o Ministério da Saúde (MS), a exemplo dos profissionais que atuam na linha de combate à pandemia, deixaram de ser testados. 

O deputado cita o caso de uma enfermeira alagoana que não conseguiu ser submetida ao procedimento, de início, e, mesmo infectada, passou cerca de 15 dias trabalhando normalmente no atendimento a outros pacientes. “A probabilidade de ela ter espalhado o vírus é muito alta”, afirma Davi Maia.

Ela reforça que os critérios estabelecidos para a realização dos testes no Lacen/AL eram definidos de forma aleatória, com forte influência política, e sem seguir os padrões das autoridades sanitárias.

Além disso, revelou que boa parte das amostras colhidas no Estado, no começo da pandemia, acabou sendo inviabilizada por falta de capacitação técnica dos servidores do Lacen, de equipamentos adequados (alguns estavam quebrados) ou por decisões escusas, estritamente de gestão.

Maia informou que vai encaminhar todas essas denúncias para a Comissão de Direitos Humanos da ALE e para o Ministério Público Estadual (MPE), com a finalidade de propor investigação aprofundada.

Veja matéria completa aqui

Compartilhe:

Deixe uma resposta