Tarifa de água da Casal aumentou 66% desde o início do atual governo

Tarifa de água da Casal aumentou 66% desde o início do atual governo

Confira aqui a matéria

O aumento da tarifa de água autorizado pela Arsal está sendo discutido numa reunião na Assembleia Legislativa, convocada pelo deputado Davi Maia (DEM). Conforme levantamento do parlamentar, as tarifas aumentaram 66% desde 2015, quando teve início o governo de Renan Filho (MDB). Trata-se da quarta tarifa mais cara do País. Em julho deste ano, a agência reguladora autorizou aumento de 6,22% já em vigor. 

Segundo Davi Maia, a convocação é para dar a oportunidade de esclarecimento sobre o que considera fora de parâmetro, já que a qualidade dos serviços, em sua avaliação, está abaixo das necessidades da população.

“Eles foram convocados para falar sobre esse índice que nos coloca como a quarta tarifa mais cara do Brasil, considerando todos os estados e capitais. E nós queremos saber de onde vieram esses 66% de aumento no governo Renan Filho. Pagamos mais caro do que Olinda, Recife, Salvador, Aracaju e até Niterói, no Rio de Janeiro, que paga R$ 3, enquanto aqui é R$ 5,46. São absurdos que não condizem com nossa realidade, principalmente com uma companhia que é Casal, que presta um péssimo serviço a toda Alagoas”, criticou Maia.

Segundo o presidente da Casal, Clécio Falcão, a principal razão para o aumento é que a empresa consome vários insumos para o tratamento da água e sua distribuição, que são comprados com preços regulados pelo dólar.

“A área de tratamento é sempre de muita responsabilidade e para isso precisamos utilizar produtos e insumos de qualidade, que quase sempre são regulados pelo preço do dólar. Iremos apresentar de forma didática todos os detalhes para esclarecermos qualquer dúvida dos parlamentares” disse Falcão.

A Arsal, responsável pelo autorização do reajuste solicitado pela Casal, atualmente presidida pelo ex-deputado Ronaldo Medeiros, atesta que concedeu os aumentos com base nos estudos técnicos e de custos encaminhados pela empresa. “A sociedade confia no trabalho das agências reguladoras em todo o País, e em Alagoas não é diferente. Nossos técnicos apuram e analisam dados para tomar suas decisões”, explicou Medeiros.

Compartilhe:

Deixe uma resposta